UMA CONVERSA COM MALALA YOUSAFZAI

Malala Yousafzai, uma das maiores ativistas no mundo e vencedora do prêmio Nobel, contou o início de sua trajetória.

Quando criança, o seu direito a educação foi extirpado, dentre a região onde ela vivia, com área de guerra, escolas sendo destruídas, zona de conflito. Enfim, toda a liberdade sendo cerceada.

Ela não dormia, sempre com receio de ser o próximo alvo.

Mas a maior lição que ela aprendeu durante toda a jornada é cada um confiar em sua voz, assim como ela fez.

Cada um acreditar em si, a idade não é importante, e sim iniciar sua jornada. Sempre existiram questões sociais, e quando tentaram silencia-la com um tiro, ela se deu conta de que sua voz era mais poderosa do que imaginava.

Isso foi um estímulo muito grande para ela, provando que sua voz pode mudar uma comunidade e trazer conscientização.

Ela acredita que a educação universal deve estar ao alcance de todos, por meio da tecnologia e dos direitos humanos.

E deve se haver equilíbrio naquilo que é ensinado, onde a maioria das pautas são ocidentais, e a maioria das crianças não aprendem suas raízes locais, sobre seus ancestrais. Um equilíbrio é importante nesse sentido.

Malala trabalha para preparar as crianças para o futuro. Num mundo onde o fake news é espalhado a todo momento, é importante termos jovens se transformando em pensadores, tendo suas próprias criticas e opiniões.

E também defende sobre a igualdade de direitos entre os homens e as mulheres. A educação é uma parte extremamente importante no empoderamento das mulheres, na sua emancipação, onde elas acreditam que podem ser engenheiras, pilotas, líderes, empresárias.

É preciso tirar esse medo que a sociedade impõe a todas elas.

Ziauddin Yousafzai, pai de Malala, também participou, relatando que a educação transforma a vida de qualquer pessoa. reforçou a frase de Nelson Mandela, onde “a educação é a arma mais poderosa que pode mudar o mundo”.

Este conceito foi fundamental na criação de Malala, ao refletir o que ela se tornou hoje. Ainda sobre a criação, quando questionado, disse: “não perguntem o que fiz, perguntem o que não fiz”.

Ele não cortou as asas de Malala, e sempre deu total liberdade e respeito para que ela voasse sozinha.

Malala finaliza que o momento pós-pandemia que estamos passando é de grande mudança mundial, sendo importante nos adaptarmos.

Mas nunca devemos deixar de lutar pelo direito de opinar, de ter educação ao nosso alcance e aumentar nossa voz, trazendo um mundo mais humano e igualitário.

Redes sociais da BlueTrade

Instagram: https://www.instagram.com/BlueTradeInvest/
Facebook:
https://www.facebook.com/BlueTradeInvest
Linkedin:
https://www.linkedin.com/company/BlueTradeInvest
YouTube:
https://www.youtube.com/BluetradeTv

EXPERT XP | Ray Dalio: “A mudança da ordem global: onde estamos e para onde vamos”

Segundo Ray, se olharmos a questão das taxas de juros, no longo prazo estamos caminhando para zero.

O fornecimento de credito aumentou, e isso faz com o que o valor da moeda diminua. Isso tem sido verdadeiro durante toda a historia.

Hoje há um atual conflito entre republicanos e democratas que possuem ideologias diferentes.

Economicamente falando, os democratas são mais liberais ou conservadores, fazendo com que isso se comunique a uma possível desigualdade de riqueza.

Os efeitos dos cortes tributários foram bons para o mercado de acoes global e principalmente o americano.

Ele reforça que existem 4 guerras ocorrendo atualmente: comercial, tecnológica, geopolítica e também uma possível guerra de capital. Isso implica todas as dimensões globais.

Segundo ele, para investimentos, é imprescindível a diversificação – de ativos, de países, de moedas, etc. Ela faz com que elimine mais o risco. É difícil dizer qual o melhor investimento.

Se isso fosse fácil, todos comprariam o mesmo investimento e ganhariam dinheiro. Ele reforça também que os EUA esta arriscando seu status de moeda reserva, com o constante desenvolvimento da China.

Hoje o dólar lhe permite comprar no mundo todo, sem restrição.

Sobre EUA e China, e importante entender as diferenças entre os países. A China e um pais moderno, bem gerenciado, com uma cultura forte e disciplinada.

Já os EUA e um pais individualista, onde cada um protege seus direitos, sua prosperidade e opiniões individuais.

Ele finalizou com um recado para novos empreendedores no mundo: menos sonho e mais realidade.

O sucesso se da em 5 etapas:

1 – Conheça as suas metas.
2 – Abrace seus problemas, fracassos, obstáculos e aprenda com eles.
3 – Sempre execute tudo aquilo que planeja.
4 – Não deixe o ego atrapalhar os seus percursos.
5 – Não trabalhe por dinheiro, pois ele não tem propósito. Faca com que o trabalho e paixão sempre andem juntos.

VIX – O famoso índice do medo.

Provavelmente você já se sentiu com medo em determinados momentos de volatidade na bolsa. Certamente, se você possui ações em carteira!

Agora eu te pergunto, você sabia que existe um índice que representa, de certa forma, o medo e a expectativa que os investidores estão sentindo no próximo período de 30 dias?

Este é o caso do VIX – Volatility Index, traduzindo para o português, Índice de volatilidade. Criado em 1993, ele é o índice que mede o preço das opções de ações que compõe o S&P500.

Desta forma, ele mede as expectativas em relação às 500 ações do S&P pelos próximos 30 dias.

Assim, ele serve também como base para negociações de curto prazo, realizadas por especuladores.

Mas, como pode um índice americano medir o medo global?

Pelo simples fato do S&P ser um dos maiores índices do mundo, contemplando as maiores empresas do mundo o VIX, por sua vez, tem essa magnitude de prever as expectativas futuras.

Durante a crise de 2008, esse índice atingiu uma valorização de aproximadamente 273%. No dia 22 de agosto, o índice era cotado a 18,81 pontos, e no dia 17 de outubro o índice atingiu o seu pico aos 70,33 pontos, maior pico já registrado até hoje.

Em 2020, com a crise do coronavírus, o índice em 14 de fevereiro era cotado a 13,68 pontos. Oito dias depois, 22 de fevereiro, o índice já estava sendo cotado a 40,11 pontos. E então, em 27 de março, o índice atingiu o seu segundo maior pico da história, aos 65,54 pontos.

Estamos falando de uma valorização de aproximadamente 379%, do dia 14 de fevereiro ao dia 27 de março.

Mas como é feito o cálculo e quem calcula esses dados?

O cálculo do índice é feito pela Chicago Board Options Exchange, CBOE, e fica válido por 30 dias. Para quem não sabe, a CBOE é uma bolsa de opções dos Estados Unidos.

O cálculo desse índice é feito de forma automatizada, no qual são usados dados sobre compra e venda de ações, bem como média de preços, variações e tempo. O resultado oficial envolve uma série de fórmulas complexas.

Então, quanto mais altos são os números do VIX, maiores são as incertezas dos investidores.

Por exemplo, se a variação do VIX é de 5%, isso significa que os investidores estimam que os ativos possam oscilar 5%, tanto para cima quanto para baixo. Quanto maior é esse valor, maior é a queda dos ativos.

Conclusão

Saber um pouco mais sobre o VIX é fundamental para ter um conhecimento mais aprofundado do mercado financeiro.

E nesta época de pandemia, a instabilidade neste setor se torna ainda maior, o que implica em acompanhar mais de perto as mudanças que acontecem diariamente, e com isso, tomar decisões conscientes e racionais.

E quando falamos sobre essas decisões, é porque a emoção pode falar mais alto nesses momentos, o que não é bom para nenhum investidor.

Com isso em mente, procure por um assessor de investimentos, ele poderá te auxiliar em momentos de instabilidades, e consequentemente, você poderá continuar na sua área de atuação sem muitas preocupações.




O famoso Tesouro Direto

A primeira coisa que precisamos entender é que Tesouro Direto não é um investimento e sim uma plataforma on-line. Através dela os investidores podem comprar títulos do governo federal diretamente da secretaria do Tesouro Nacional. O Tesouro Direto vende 3 tipos indexadores (pós-fixado, prefixado e vinculado a inflação) em 3 diferente ativos (LFT, LTN, NTN). Todos suportados pela fé e crédito do governo Brasil e usados para financiar a dívida federal. 

LFT (Letra Financeira do Tesouro) ou Tesouro Selic 

É o ativo mais simples e mais conservador emitido pelo Governo Federal. A rentabilidade dele é pós-fixada e como o nome diz, segue a Taxa Selic. Se essa taxa cai, o rendimento cai e vice-versa. Hoje essa taxa está em 3,00% ao ano, com a previsão de queda ao longo do ano. Excelente alternativa à caderneta de poupança, pois é mais seguro que a poupança, não precisa esperar a data de aniversário e rende mais. Quando falamos de reserva de emergência, faz sentido considerar esse título público como uma alternativa viável, uma vez que deve ser priorizada a liquidez e segurança do papel.

A LTN (Letra do Tesouro Nacional) ou Tesouro Prefixado 

Tem sua rentabilidade prefixada, o que significa que já é conhecida no momento da aplicação. Ela representa uma alternativa interessante de investimento, pois além de ser um ativo altamente líquido, é considerada livre de risco de crédito, uma vez que o emissor é o próprio governo. Você não precisa carregar o papel até o vencimento, porém, ao optar por sair antecipadamente, você estará sujeito ao risco de mercado. Essa oscilação nas taxas pode fazer com que seu papel se torne mais ou menos interessante para o mercado. Caso seu título esteja sendo negociado a uma taxa superior a do mercado, você poderá negociá-lo com um ágio, ou, caso a taxa seja inferior, com um deságio.

NTN (Nota do Tesouro Nacional) 

Essa é a mais complexa, pois pode ser prefixada ou vinculada à inflação. Pode pagar juros semestrais, como também só pagar juros no vencimento. A NTN-F ou Tesouro Prefixado é semelhante à LTN (Letra do Tesouro Nacional) explicada no parágrafo anterior com a diferença de ter um prazo mais longo e pagar juros semestrais.

A NTN-B ou Tesouro IPC-A+ é o título vinculado à inflação. O valor principal aumenta à medida que a inflação aumenta (ou diminui se houver deflação). Esse ativo também paga juros à uma taxa prefixada que pode ser semestral ou apenas no vencimento. Excelente para investimentos de maior prazo. Apenas atenção pois o resgate antecipado, apesar de ser garantido a recompra pelo governo, sofre oscilações de mercado que podem gerar prejuízo.

Para investir nesses ativos garantidos pelo Governo, é necessário ter uma conta bancária ou em uma corretora. É possível fazer direto nessas contas ou através do site do Tesouro Direto em que você escolhe a instituição financeira a qual você deseja que guarde seus ativos. Por fim, vale a observação que apesar de serem excelentes investimentos (principalmente para quem está começando a investir), precisa estar alinhado com seu perfil e com seus objetivos financeiros. Não invista pelo fato de um amigo ter te indicado ou porque você escutou no rádio.

Quer saber mais sobre Tesouro direto assista ao vídeo abaixo:



Fundos Imobiliários X Compra de Imóveis: Entenda as diferenças.

Não é de hoje que investidores sabem que a compra de um imóvel, mesmo à vista, não é a melhor forma de se investir em imóveis. Ainda assim, muitas pessoas se apegam à pensamentos fortemente propagados no passado que para construir seu patrimônio era necessária a compra de imóveis. Hoje com diversas oportunidades para aumentar a rentabilidade  de seu capital essa técnica provou-se obsoleta.

Fundos Imobiliários X Compra de imóveis

Investir via fundos imobiliários ou comprar um imóvel é uma dúvida que muitas pessoas possuem na hora de realizar seu planejamento. E essa dúvida faz todos sentido já que ambos estão investindo em  ativos imobiliários. Mas é neste ponto que surge a grande questão. Mas qual é a diferença?

As diferenças são muitas e os investidores que entendem o potencial dos fundos imobiliários conseguem acessar uma série de benefícios que a compra de um imóvel não possui. 

Simples, rápido e fácil!

Com o avanço da tecnologia, os investidores possuem total domínio dos seus investimentos na palma de suas mãos. Com esse controle os investidores que optam em investir em FIIs conseguem  realizar a compra e venda de suas cotas de maneira rápida e fácil através do home broker. 

Já para se efetuar a compra ou venda de um imóvel o caminho é bem mais longo e pode chegar a durar dias. A pessoa terá que se preocupar com visitas ao imóvel, estado de conservação do mesmo, além de diversas etapas burocráticas como escrituras, impostos, certidões, reformas e demais problemas que toda compra e venda de imóveis podem apresentar em suas negociações.

Liquidez e segurança

Outra grande vantagem para quem optou em investir em fundos imobiliários é a sua liquidez. pois as cotas de FIIs são negociadas diretamente na Bolsa de Valores. Assim, caso o investidor queira se desfazer de parte ou totalidade de seus fundos basta vender na bolsa para outro interessado através do HomeBroker ou mesa de renda variável. 

Os investimentos na bolsa de valores vêm crescendo exponencialmente nos últimos anos, atingindo números recordes de investidores, o que além de ser sinal de fortalecimento do mercado também garante segurança na transação. 

Enquanto isso para a que a compra ou venda de imóveis físicos sejam realizadas, você dependerá de compradores e vendedores locais, sem nenhum ganho de escala. tendo que confiar apenas na palavra da pessoa. É nesse ponto que muitos compradores de imóveis acabam caindo em golpes como apartamentos na planta que nunca são entregues, terrenos que não existem ou imóveis que já estão ocupados. 

A facilidade de comprar e vender sua cota através da bolsa de valores, com total segurança nesse processo, é infinitamente maior do que a que você terá no processo de compra e venda de um imóvel. 

Diversificação de fundos imobiliários

Vamos imaginar que você compre um apartamento e que 5 meses após essa compra todo o prédio pegue fogo, nesse caso você perderia todo seu patrimônio.  Quando você investe nos FIIs esse problema pode ser minimizado pois mesmo desembolsando uma quantia pequena, você já consegue diversificar sua aplicação em diversos tipos de imóveis, para diferentes classes sociais. 

Com a diversificação de fundos imobiliários você protege seu capital contra qualquer cenário. Enquanto no imóvel físico, os riscos de desvalorização e de perder o capital investido é bastante alto, já que para realizar uma diversificação é necessário um alto nível de patrimônio.

Impostos

Quem opta pela compra de imóvel o coloca para alugar, precisa considerar que sempre que se receber o aluguel de um imóvel de propriedade direta, haverá a incidência de imposto de renda. 

No caso dos FIIs, existe a isenção de IR para pessoas físicas que forem detentoras de menos que 10% do patrimônio total de um fundo. Sendo assim, se você for cotista de determinado fundo imobiliário, investindo através da pessoa física e sua participação não ultrapassar 10% do total do fundo, você não pagará IR sobre os proventos.

Os riscos em cada modelo

Os fundos imobiliários investem em grandes empreendimentos, que tem como clientes, importantes empresas que fazem parte de nossa economia. Galpões logísticos, Shoppings, hotéis, hospitais, entre outros. 

Sendo assim, existe menor risco de vacância e inadimplência, já que esses prédios estarão sempre sendo ocupados por essas empresas. Já ao adquirir um imóvel próprio, vacância e inadimplência serão palavras que sempre irão rondar a sua cabeça. 

Conclusão

Como pudemos te mostrar no texto, os fundos imobiliários são geridos por profissionais que se dedicam a essa atividade 100% do tempo e estarão sempre atrás das melhores oportunidades para melhor rentabilidade deste investimento. Sabemos que a maior parte das pessoas que adquirem imóveis não tem todo esse tempo disponível e nem mesmo tem as qualificações que tem um gestor, em um modelo que demanda muito mais esforços e preocupações.

Essas são  as principais diferenças entre se  investir em um FII e realizar a compra de um imóvel. Assim como explicado no início do post, em ambos os casos se estará investindo no mercado imobiliário, mas as milhares de vantagens  e facilidades para se aplicar em fundos imobiliários faz com que esse produto seja a forma mais inteligente de se investir em imóveis. 

Saiba mais sobre as diferenças entre Fundos Imobiliários X Compra de Imóveis assistindo à nosso vídeo educacional.