Blue3 e SpaceMoney anunciam parceria e lançam novos canais de informação

Um dos ativos mais valiosos do século 21 é a informação. Diariamente, fatos econômicos, políticos e sociais interferem no nosso cotidiano e, para quem investe e pensa no futuro, estar por dentro desses acontecimentos no momento certo pode significar a diferença entre lucro e prejuízo. 

Informar com agilidade e trazer análises de qualidade é a missão dos novos canais Bolsa de Valores e Proteção e Futuro, focados no cotidiano da B3 – a bolsa de valores brasileira – e nos mercados de seguros e previdência.

O portal SpaceMoney, especializado na cobertura do mercado de capitais e em produção de conteúdo com foco em educação financeira, é o responsável pela organização editorial e hospedagem do projeto, que tem patrocínio da Blue3. A empresa, escolhida pela XP Investimentos como melhor escritório de agentes autônomos do Brasil em 2021, colabora também com conteúdo analítico baseado nas recomendações e relatórios da corretora.

“Esses novos canais especiais de informação nascem em linha com os princípios que norteiam o negócio da Blue3, de valorizar a informação de qualidade e fomentar a educação financeira. Quem respira o mercado financeiro precisa estar sempre ligado no mundo ao redor e, para nós, é uma grande satisfação poder oferecer essa conexão”, destaca Wagner Vieira, CEO da Blue3.

“A Blue3 é o parceiro ideal para o início da nossa área de projetos especiais, que está desenvolvendo novos canais temáticos sobre segmentos importantes do mercado de capitais e da economia, como criptomoedas, investimentos no exterior, agronegócio e saúde, entre outros, sempre em parceria com empresas que são referência em seus ramos de atuação. Vem muita coisa boa por aí”, adianta Fabio Murad, CEO da SpaceMoney

Mais informação sobre a bolsa

Segundo dados divulgados pela B3 no início de agosto, atualmente 3,9 milhões de pessoas físicas têm conta para investimentos em renda variável. Para quem faz parte desse grupo — ou tem interesse em conhecer e acompanhar o mercado acionário —,  o canal Bolsa de Valores é um passaporte para os pregões.

Dessa forma, é possível acompanhar as cotações dos papéis pela ferramenta SpaceNow, se informar sobre os principais fatos relevantes no universo das empresas listadas e conferir o desempenho do Ibovespa e dos principais índices internacionais. Tudo acompanhado pela contextualização dos profissionais da Rede Blue3.

Portanto, além de notas rápidas, a página trará também conteúdos de fôlego, como reportagens, lives e entrevistas em diferentes formatos, incluindo texto, infográficos e vídeos.

Clique aqui e acesse o canal Bolsa de Valores.

Seu futuro está garantido?

Sabemos que não é possível prever o futuro, mas você pode sim, construir o seu! Por isso, se planejar financeiramente, investir em previdência privada e contar com produtos de seguro são medidas indispensáveis para alcançar esse objetivo. 

Porém, infelizmente, essa não é a realidade da maioria dos brasileiros. Segundo o “Raio-X do Investidor”, pesquisa realizada pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) em julho deste ano, apenas 9% dos brasileiros investem em previdência privada. A maioria (71%) respondeu que dependerá da previdência social (INSS) ou do próprio salário, ou seja: não pretendem parar de trabalhar.

Foi pensando nisso que nasceu o canal Proteção e Futuro, cujo o objetivo é ajudar esse público a ter uma nova consciência financeira, trazendo reportagens sobre educação e planejamento do orçamento pessoal.

Entre os temas estão dicas de como economizar, além das opções de planos de previdência que estão em evidência no mercado e de produtos de seguro que atendam às necessidades dos diferentes perfis de famílias.

Clique aqui para conhecer o canal Proteção e Futuro.

Qual é o seu próximo sonho? Você já definiu as suas metas?

Traçar um planejamento financeiro é essencial para conquistar seus objetivos, e claro, a Blue3 pode te ajudar a alcançá-los.

Procure um assessor Blue3 agora, e comece a investir com excelência!

Guia completo sobre investimentos para iniciantes

Enfim, você decidiu dar o primeiro passo rumo à liberdade financeira e buscar outras alternativas além da poupança. Mas, como em qualquer início, imaginamos que você ainda esteja descobrindo e assimilando todas as informações do universo dos investimentos. 

Isso é comum. O mercado financeiro pode parecer confuso no começo, mas é um espaço rico em possibilidades para a construção do seu patrimônio. 

Mas, nunca é tarde e sempre é tempo de aprender. E foi por esse motivo, que preparamos um guia completo sobre investimentos para iniciantes. 

Como começar a investir? 

Antes de mais nada, você precisa se conhecer. O que queremos dizer com isso? Você precisa entender o quanto você está disposto a investir; com qual frequência; se você tem tolerância ao risco e a volatilidade do mercado; e por fim, quais são os seus objetivos a curto, médio e longo prazo. 

As respostas desse processo vão te mostrar qual é o seu perfil de investidor. E saber qual é o seu perfil é a premissa para todo o restante que virá a seguir. 

Os perfis principais do mercado  foram classificados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), e são: 

Perfil conservador 

O investidor conservador é adepto à segurança, priorizando aqueles produtos que oferecem menor risco e estabilidade na carteira de investimentos. Mesmo que, para isso, tenha uma rentabilidade um pouco menor. 

Por isso, tendem a optar pelos investimentos em renda fixa. E os produtos mais comuns neste sentido são os CDBs, Títulos Públicos e os Fundos de Renda Fixa. 

Perfil moderado 

Esse investidor se preocupa menos com os riscos do que o conservador. Entretanto, ainda tende a priorizar a segurança na hora de investir. 

O investidor moderado costuma aderir alguns produtos que oferecem uma rentabilidade maior a longo prazo, se arriscando mais. 

Produtos como CDBs, Previdência Privada, Fundos Multimercados, Fundos Imobiliários e Ações podem fazer parte da lista de interesses desses investidores. 

Perfil arrojado ou agressivo 

Esses investidores possuem mais tolerância aos riscos em busca de uma rentabilidade maior. Por isso, costumam ousar e investir, preferencialmente, em renda variável, como a compra de ações e derivativos. 

A Bolsa de Valores costuma ser o ambiente em que os investidores mais arrojados costumam participar com frequência. 

Se planejar para começar a investir 

Agora que você já viu quais são os perfis dos investidores, podemos avançar para o próximo ponto, que é o do planejamento financeiro. 

Investimento não é um passatempo e muito menos a promessa de enriquecer do dia para a noite, mas sim uma forma de organizar a sua vida financeira, para que o dinheiro que você poupa renda mais e que você construa um patrimônio para ter um futuro digno e confortável. 

É saber utilizar os seus recursos de hoje da melhor forma. Por isso, desde o princípio, você precisa definir qual é a quantia que vai dispor mensalmente, com responsabilidade, para os seus investimentos.

A responsabilidade é o ponto-chave no planejamento. Antes de aplicar todo o seu montante em operações visando o lucro, é importante ter em mente que a reserva de emergência precisa entrar como uma das prioridades nesse processo. 

Mas, por que? A vida é repleta de surpresas, boas e ruins, e basta estar em movimento para uma vez ou outra sermos surpreendidos com imprevistos. 

Por exemplo: 

Sabe quando você decide que neste mês vai reservar um dinheiro para viajar com a família? E justamente nesta mesma época o seu carro quebra, seu animal de estimação fica doente ou você precisa dar manutenção em algo da sua casa que está com problemas. 

É desta mesma forma que acontece com os investimentos. Vamos supor que você esteja investindo em algum produto que esteja apresentando bons resultados. Mas, um desses imprevistos acontecem. Você certamente irá precisar deslocar a sua rentabilidade para resolver essa questão. 

Por isso existe a reserva de emergência. Ela é essencial para todos os tipos de investidores e vai garantir que os seus investimentos continuem saudáveis mesmo nas adversidades.

Como montar uma reserva de emergência? 

Primeiro, é preciso entender quais são os seus gastos fixos. Porque os especialistas do mercado orientam que a reserva de emergência deve cobrir de seis a nove meses dos gastos fixos de uma pessoa. 

Além disso, a reserva de emergência não deixa de ser um investimento também. Por isso, alocar esse montante em uma aplicação que ofereça liquidez diária – que você pode retirar a qualquer momento – e rentabilidade, faz toda a diferença. 

Alguns exemplos de produtos com liquidez diária, são: o Tesouro Selic, CDBs, Fundos de Investimento de Renda Fixa. 


Clique aqui e abra a sua conta. 

Quais são os investimentos mais indicados para iniciantes?

Essa é uma pergunta bem comum feita por quem está começando. Por isso, para finalizar o artigo, vamos falar sobre 3 investimentos, que já citamos acima, e são interessantes para os iniciantes.

  1. CDB

O CDB é um Certificado de Depósito Bancário emitido pelos bancos. É um investimento conhecido e bem comum na renda fixa. Esse produto oferece menos risco, como a poupança, porém com mais rentabilidade. Isso porque os rendimentos começam a contar desde o dia da aplicação.

Existem três tipos: o prefixado, pós fixado e híbrido. Além disso, pode ser tanto de liquidez diária, quanto de resgate apenas no dia do vencimento.

Leia mais sobre o CDB aqui.

  1. Fundos de Investimento de Renda Fixa

Os fundos de investimento funcionam assim: o investidor se junta a um grupo que tem o interesse de investir nos mesmos ativos, assim, cada investidor adquire uma cota e recebe a participação nos resultados.

Eles são administrados por gestoras responsáveis. Os fundos de renda fixa possuem 80% dos seus investimentos em títulos, como o nome já sugere, de renda fixa e os outros 20% em derivativos. 

Por isso, é um fundo considerado de menor risco também. 

Para saber mais sobre fundos, leia o artigo “Tipos de fundo de investimentos”.

  1. Tesouro Direto 

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional criado pelo governo com o objetivo de gerenciar as dívidas públicas. 

Então, são títulos públicos em que o investidor empresta dinheiro para o governo em troca de rentabilidade. O Tesouro Direto se encaixa em um dos investimentos mais seguros do mercado atualmente. 

Esses títulos podem ser prefixados, pós-fixados e híbridos. 

Saiba também “Como investir em Renda Fixa de forma inteligente”.

Dica bônus: essa é uma dica que pode evitar muitos tropeços no início dessa jornada. Cada investidor tem objetivos particulares.

Por isso, os movimentos de “manada” em que muitos investidores acabam tomando a mesma decisão por influência de outras pessoas, podem ser prejudiciais e levar muitos ao erro. É essencial alinhar a análise fundamentalista do mercado feita por profissionais com os objetivos de cada um.

E, claro, você não precisa estar sozinho ou sozinha na hora de investir. Conte com a ajuda de quem entende e é especialista de mercado. 

Se você tem dúvidas sobre as suas opções para investir, clique aqui e converse com um assessor Blue3.

Como pensar em estratégias de investimento a longo prazo?

Você já deve ter ouvido em palestras, lives, artigos ou em falas de especialistas do mercado sobre a importância de cultivar um pensamento voltado para o longo prazo na hora de fazer seus investimentos. 

Esse pensamento é fundamental para que os planos futuros possam ser concretizados com mais tranquilidade e conforto. Por isso, esse conselho é tão válido, não só para ativos em renda fixa, mas para os de renda variável também. 

Dispor um dinheiro para daqui 20, 30, 40 anos, vai muito além da tarefa de se planejar financeiramente. Exige um esforço mental para evitar que o desânimo apareça no meio do caminho e ponha tudo a perder.

Quando o desânimo aparecer, lembre-se de grandes investidores, como Warren Buffet, que construiu seu patrimônio no longo prazo e fez história no mundo dos investimentos.

“Planeje o investimento como um casamento católico: para a vida toda.” (Warren Buffett)

Qual o primeiro passo para uma estratégia a longo prazo?


Na Expert XP 2021 – o maior evento sobre investimentos do mundo – realizado pela XP Investimentos, o sócio da Blue3 e especialista em alocação, Eliseu Hernandez, conversou sobre o assunto com Fernando Ferreira, estrategista-chefe da XP Investimentos e embaixador do evento. 

Os profissionais levantaram pontos importantes sobre o tema, que valem a pena serem falados neste artigo. 

Segundo o estrategista, Fernando Ferreira, o primeiro passo para montar uma estratégia a longo prazo seria pensar na diversificação da carteira de investimentos. “Esse é o único almoço grátis que o mercado nos dá”, enfatizou. 

Do ponto de vista da carteira de investimentos líquida, dividir os “ovos” em mais de uma “cesta” faz mais sentido para proteger o que já foi construído e mirar no futuro da carteira. 

O segundo passo seria pensar na qualidade dos ativos e no quanto eles são descorrelacionados uns dos outros. Fernando deu o exemplo das criptomoedas que, por mais que tenham uma alta volatilidade, não são correlacionadas a outros ativos que possuem influência do governo, por exemplo. 

“Por isso, ter uma pequena parte no seu portfólio nesse ativo, pode ajudar a diminuir o risco da carteira no final do dia”, complementa. 

Um investidor pode ter uma carteira com diferentes ativos brasileiros, mas se não há diversificação regional, isso pode ser um problema também. Porque, de acordo com o estrategista-chefe da XP, “se der um problema no Brasil, como estamos vendo agora, a carteira inteira vai mal ao mesmo tempo”. 

A alocação estrutural da carteira precisa, então, levar em consideração os pilares que envolvem a diversificação e a descorrelação dos ativos, que citamos acima, permitindo que um ativo compense o outro. Essa estrutura é fundamental para evitar que o investidor balance em momentos de instabilidade do mercado. 

Como o cenário econômico atual impacta na montagem da carteira?

Em uma passagem do evento, Fernando Ferreira respondeu se realmente faz sentido olhar o cenário econômico atual para montar a carteira de investimentos. E a resposta foi “depende”. 

Pensando em um processo de montagem de carteira a longo prazo, olhar o cenário atual pode não ser o principal ponto de partida. Exatamente porque, ao fazer a alocação dos ativos, é essencial montar uma carteira que irá proteger o investidor em diferentes cenários e momentos. 

Entretanto, saber avaliar o cenário econômico contribui no momento de definir a distribuição de cada ativo. Por exemplo: “ a maior parte vai ficar para a Bolsa?”, “o dólar deve ocupar quantos % da carteira?”, entre outros questionamentos. 

Por isso, o estrategista afirma que, “o cenário é sim muito relevante na alocação mais tática e na hora de fazer mudanças e trocas. Mas, é importante sempre respeitar o perfil do investidor e a tolerância ao risco”. 

O especialista em alocação, Eliseu Hernandez, também fez o seu alerta: “querendo ou não, nem todo mundo vai acertar, mesmo usando as táticas”. Principalmente porque o cenário pode indicar uma mudança e, mesmo assim, “o movimento pode ser feito tarde demais”, complementa Fernando. 

Os profissionais falaram, ainda, sobre a falta de racionalidade dos investidores no momento das tomadas de decisões, onde muitos ainda continuam agindo pela emoção. 

E, nesses momentos, ter um assessor de investimentos ao lado pode fazer a diferença para chegar ao melhor consenso sobre essas porcentagens “ideais” para cada classe de ativo.


Sobre o tempo ideal para a correção de rota, o consenso indica que o que vai influenciar é o perfil de cada investidor. Existe o perfil que pede uma mudança mais rápida, e outro que leva mais tempo para fazer uma movimentação. Mas, cada passo deve ser seguido com inteligência e estratégia. 

Se você ainda não tem um assessor de investimentos, clique aqui e comece a investir ao lado dos melhores

E o cenário da inflação? 

Por fim, os palestrantes falaram sobre o cenário atual da inflação, que tem crescido muito no Brasil e o impacto nos investimentos. 

E, o estrategista-chefe da XP, trouxe uma reflexão: “muitos investidores pensam que se proteger da inflação significa comprar títulos e fundos atrelados à inflação. E não está errado. Mas, é preciso avaliar melhor os ativos que têm uma parte deles prefixado + um spread”. 

No caso, Fernando falou dos títulos de renda fixa do Tesouro Direto que são híbridos. Isso porque, ao comprar o título, pode ser que “haja um estresse no mercado” e esse spread aumente, fazendo com que o título adquirido anteriormente tenha uma marcação a mercado menor. 

O estrategista citou o caso para enfatizar que esses títulos continuam sendo uma boa opção para proteger a carteira, mas que não são os únicos. Fernando aproveitou, então, para apresentar os fundos imobiliários, ações específicas da Bolsa de Valores e ativos dolarizados como bons hedges (proteção) para a inflação.  

Como ser um investidor a longo prazo no Brasil?

A mensagem final de Fernando Ferreira no encontro na Expert XP, trouxe alguns conselhos para os investidores brasileiros. 

“No Brasil, sempre temos emoção. Os cenários nunca são tão bonitos quanto aparentam, e nem tão ruins.”, destacou o estrategista. A recomendação principal é manter a calma e a frieza na hora de atuar, pensando sempre no longo prazo. 

Ele indica que o investidor converse com o assessor para montar uma carteira “bem amarradinha” e com as alocações certas. Fernando afirma que isso é primordial para que o investidor possa ficar tranquilo e otimizar tempo para aproveitar o que “realmente importa na vida”. 

Em caso de dúvidas para investir no longo prazo, clique aqui e fale direto com um assessor Blue3.

Previdência Privada: como se preparar para a velhice

Envelhecer é uma das maiores dádivas da vida e ter a oportunidade de viver essa fase com qualidade, é ainda melhor. Os anos passam, mas os prazeres da vida permanecem e esse artigo tem o intuito de mostrar que é possível estender todos esses prazeres para anos de sabedoria e experiência.

A cada ano a expectativa de vida aumenta e isso também é um ponto que merece atenção. Segundo o IBGE (2020), em 1940 as pessoas que chegassem aos 50 anos teriam em média mais 19 anos pela frente. Já em 2019 esse número saltou para 30, ou seja, um crescimento de 12 anos a mais. O fato é que ganhamos mais tempo, entretanto também estaremos mais sujeitos aos seus efeitos.

Não existe segredo e nem receita de bolo, o planejamento financeiro está aí para auxiliar em todas as fases da vida e principalmente na que exigirá mais cuidados: a velhice.

Juntamente ao tempo, ganhamos a oportunidade de gerar mais renda e investir o suficiente para garantir um momento feliz e tranquilo. Por outro lado, o risco de contrair dívidas também aumenta e por isso é importante definir alguns números desde cedo.

De acordo com o Raio X do Investidor (2020), 51% dos mais de 2.000 entrevistados, ainda acreditam que o dinheiro da aposentadoria virá do INSS. O lado bom é que de 2018 para 2019, esse número reduziu em 5%. Mas, apenas 7% apostam na Previdência Privada e 10% não sabem ou não pensam sobre o assunto.

Os jovens ainda estão em tempo para procurar o melhor plano de previdência, mas e os vovôs e vovós? Eles também.

Devemos concordar que quanto mais cedo, menos recurso será exigido de aporte, mas é possível começar depois de anos de vida percorridos. A diferença é que, além de precisar de mais recursos para aporte, a estratégia também será outra. O importante é começar!

Mas como se preparar? 

Além de identificar o perfil do investidor é necessário saber o objetivo desse recurso e quando será utilizado. Para horizontes mais longos é possível investir em ativos mais voláteis, esses apresentam maior rentabilidade e, se porventura cair, há tempo de recuperar. Já para o curto prazo, o ideal é optar pelos que “balançam” menos.

Diante de todos esses dados você já viu que é necessário montar um colchão financeiro, sem precisar contar com aquela “ajudinha” do governo. Com essas dicas ficará muito mais fácil começar, independente da idade que tiver! 

O que é um colchão financeiro? 

O colchão financeiro é uma reserva de emergência que devemos ter para cobrir despesas inesperadas. Dizem que o termo colchão surgiu quando os bancos ainda não eram tão acessíveis, pois muitas pessoas costumavam guardar o seu dinheiro embaixo do colchão. 

Dessa forma, o colchão financeiro é basicamente um montante reservado para casos extremos, como o desemprego prolongado ou uma doença excepcional na família, por exemplo. Por isso, seu principal objetivo é cobrir as despesas durante esse período “sem rendimentos”. 

Previdência Privada e a aposentadoria 

A previdência privada pode funcionar como um fundo para guardar recursos para a aposentadoria do investidor e é dividida em dois tipos de planos: PGBL e VGBL. A maior diferença entre elas é a tributação, já que a primeira é mais indicada para quem declara Imposto de Renda pelo formulário completo, e a segunda para quem preenche o formulário simples. 

Mas além disso, eles possuem diversas características próprias que devem ser analisadas de acordo com perfil e objetivos de cada investidor. 

Confira as principais diferenças: 

PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre 

Este plano é ideal para quem declara o IR pelo modelo completo e contribui para o INSS, pois ele permite o benefício fiscal na Declaração de Imposto de Renda, durante o período de acumulação. É importante aplicar apenas o limite, não vale a pena colocar mais que isso. 

Já na declaração de Imposto de Renda, os valores investidos no plano, podem abater até o limite de 12% da base de cálculo (renda bruta tributável), na Declaração Anual de Imposto de Renda pessoa física.

Quanto ao resgate e/ou pagamento do benefício, o Imposto de Renda incide sobre o valor total resgatado e sobre o valor total do benefício pago também.

VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre

O VGBL é indicado para quem é isento ou declara o IR pelo modelo simplificado ou deseja aplicar mais de 12% da sua renda bruta em Previdência Privada. 

Dessa forma, os valores investidos no plano não são dedutíveis do Imposto de Renda, que incide apenas sobre os rendimentos e as contribuições realizadas não são tributadas e além disso, não há limites. 

Sendo assim, pode-se ultrapassar o valor de 12% da sua renda e ainda ter um benefício proporcional. 

Para saber quais os principais pontos a serem considerados na hora de escolher o seu plano, leia o artigo “Previdência Privada: Pontos essenciais para escolher o seu plano”. 

Tempo para planejar

Uma coisa é certa: tudo que é feito com um bom planejamento tem maiores chances de dar certo. E o plano para a sua aposentadoria não é diferente. 

O grande sonho de um futuro tranquilo pode começar a ser construído agora e você não precisa depender da previdência social. 

Além de ser um investimento para o longo prazo, também possui uma maior segurança, em comparação com outros produtos do mercado financeiro e não traz grandes riscos. Inclusive possui uma fácil portabilidade, caso você queira transferir seus investimentos do banco para uma corretora, como a XP por exemplo. 

E claro, para construir o seu futuro a Blue3 Investimentos te ajuda a gerenciar o seu patrimônio da melhor forma. Clique aqui para falar com um assessor. 

Leia o artigo “Previdência Privada: a importância para a sua carteira” e entenda as diversas vantagens desse ativo. 

A hora é agora: por que investir em renda variável.

Em tempos de um cenário um econômico instável, é preciso repensar a forma com a qual você lida com os seus investimentos.  Se você ainda tem receio em investir em ativos de renda variável, infelizmente pode estar perdendo dinheiro.

Existem diversas formas de diversificar a sua carteira e aumentar a rentabilidade, mesmo com risco um pouco maior. 

E por que esse é o melhor momento para realocar a sua carteira?

A perspectiva de juros baixos por mais tempo – com a taxa Selic em 2,0% pelo menos até o segundo semestre de 2021, segundo os principais analistas da área, deve continuar impulsionando a Bolsa brasileira.

Isso por que houve um aumento do fluxo de investidores buscando por uma maior rentabilidade, migrados da Renda Fixa e da Poupança.

Para você ter uma ideia, o número de investidores pessoas físicas na Bolsa chegou a uma marca histórica de 3 milhões de indivíduos, o que revela uma mudança de atitude do brasileiro frente aos investimentos.

Então, não dá mais para fechar os olhos diante dessa oportunidade

Quero saber mais! 

Tipos de investimentos em Renda Variável

Seja você um investidor moderado ou agressivo, o objetivo é sempre o mesmo: ao investir de forma diversificada, é possível evitar a de perda de dinheiro no caso da desvalorização de algum ativo.

Assim, mesmo que você prefira investir em renda fixa, é possível encontrar opções de renda variável mais adequadas para o seu perfil de investidor, caso você tome a decisão de assumir um pouco mais de risco para uma maior rentabilidade. 

Exemplificamos abaixo algumas opções para ativos de renda fixa para diversificar a sua carteira, com informações da XP Investimentos: 

Opções

Opções são contratos onde o investidor tem o direito de comprar ou vender um lote de ações por um preço fixado em um determinado momento.

Pode-se traçar o paralelo de um seguro de carro: quando contratado, você garante o direito de vender o carro por um preço fixado. Mesmo se ele passar por um acidente que o desvalorize.

Ou seja, no mercado de opções são negociados o direito de compra e venda das ações, com preços e prazo pré-fixados. Mas não a obrigação, apenas o direito de compra e venda.

Quero ajuda para investir em Opções!

Contratos Futuros

O contrato futuro é um investimento onde ocorre um acordo de compra e venda em uma data no futuro, por isso o nome. Ou seja, a cotação deriva de outro ativo.

É possível lucrar tanto com a valorização do ativo quanto na queda, a depender se você comprou ou vendeu o ativo.

E tanto o vendedor quanto o comprador se comprometem com a negociação. Seja de ativos financeiros ou de bens tangíveis (como gado e milho, por exemplo).

Quero ajuda para investir em Contratos Futuros

Câmbio

O mercado de câmbio envolve as negociações referente à troca de moedas de diferentes nações. Por exemplo, se você acredita que o valor do dólar em relação ao real vai subir nos próximos meses, pode investir em comprar dólares hoje para vender por um preço maior no futuro.

Ou seja, você investe na diferença cambial entre duas moedas.

Como não é possível saber a cotação das moedas, principalmente em um cenário futuro, portanto, o risco é alto.

Quero ajuda para investir em Câmbio

Derivativos

Derivativos é um tipo de investimento que deriva a maior parte de seu valor de um outro ativo, taxa de referência ou índice. Por exemplo, o valor pode derivar de ações, do ouro ou da taxa de juros.

Esse outro ativo subjacente pode ser tanto físico, como ouro, café, milho, soja; quanto financeiro, como ações, taxa de juros, inflação, etc. E ele pode ser negociado à vista ou no mercado futuro.

Geralmente, são negociados em um padrão: o contrato é previamente especificado em relação a quantidade, qualidade, prazo de liquidação e outros fatores sobre a negociação.

Quero ajuda para investir em Derivativos!

ETFs (Exchange-traded fund)

Considerado a principal porta de entrada para a bolsa de valores, a ETF (Exchange Traded Fund) é uma forma eficiente de investir em ações, que se destaca pela diversificação e baixo custo. 

Na prática, são fundos que representam índices e são negociados em bolsa de valores. Permitem acessar mercados amplos, sem a necessidade (e o custo) de comprar cada ativo individualmente.

Quero ajuda para investir em ETFs!

Conte com a ajuda da BlueTrade para Investir em Renda Variável (H2)

Agora que você já conhece algumas das inúmeras opções para investir em renda variável, e sabe por que esse é um momento ideal para diversificar a sua carteira – tendo em vista a queda dos rendimentos em renda fixa por conta da baixa taxa de juros:

Chegou a hora de dar o próximo passo

Mas se você ainda não entendeu muito bem como tudo isso funciona ou se sente inseguro, a BlueTrade conta com uma das melhores mesas de renda variável no Brasil para te ajudar nessa caminhada. 

Contamos com especialistas focados em desenvolver estratégias inteligentes para que seu dinheiro renda mais, confira algumas delas:

  • Carteiras recomendadas, embasadas por grandes analistas do mercado, como Eleven e DV Invest;
  • Alocações internacionais, ações de empresas que mais crescem no exterior;
  • Produtos alinhados com o seu perfil, com um contato próximo aos brokers que avaliam o seu perfil de investidor. 

Assim, você receberá todo o suporte necessário para realocar a sua carteira nas melhores oportunidades de renda variável, claro, respeitando os seus objetivos e perfil de investidor. 

Então não espere mais de fale com um de nossos assessores o quanto antes!

Fale com um assessor agora!

Como investir em Renda Fixa de forma inteligente.

Você provavelmente deve estar acompanhando nos noticiários a taxa de juros em mínimas históricas no país, hoje a 2% ano.

Se por um lado isso faz com que o custo das dívidas diminua – o que movimenta a economia, por outro os juros baixos derrubam a rentabilidade dos investimentos, principalmente os de renda fixa, como a poupança.

Para você ter uma ideia, a poupança não teve ganho real nos últimos meses e perdeu para a inflação. Isso quer dizer que:

Você jogou dinheiro pelo ralo caso tenha deixado suas economias nesse tipo de aplicação!

E esse cenário deve continuar no longo prazo, então você precisa conhecer um pouco mais a fundo sobre renda fixa para encontrar alternativas mais inteligentes e tão seguras quanto a poupança para que seu dinheiro renda mais.

Quero ajuda para investir de forma mais inteligente!

Conheça os Tipos de Renda Fixa

Se você está começando a investir agora – ou é um investidor moderado, e está buscando aplicações que tragam uma renda recorrente, mas cansou de perder dinheiro com a poupança, não é preciso deixar de lado a Renda Fixa. 

O segredo dos grandes investidores é a diversificação. E sim, até os investidores mais arrojados possuem esse tipo de aplicação em suas carteiras. 

Acredite, existem opções tão seguras quanto a poupança em renda fixa, mas com rendimentos bem melhores e para todo o tipo de perfil de investidor. 

Mas antes de conhecer os tipos de renda fixa, é necessário saber que a rentabilidade desse tipo de investimento geralmente é calculada de duas formas:

  1. Títulos Prefixados:  rentabilidade conhecida antecipadamente, quando o investidor mantém o título até o vencimento;
  2.  Títulos Pós-fixados: a rentabilidade do investimento dependerá do desempenho de um indexador, como a Selic ou o CDI.

Assim, de acordo com o seu perfil, existem diversas opções para diversificar a sua carteira e otimizar os seus rendimentos.

Quero ajuda para investir de forma mais inteligente!

CDB – Certificado de Depósito Bancário

O CDB é um dos investimentos em renda fixa mais simples e populares do mercado. Além de ser tão seguro quanto a poupança, sua rentabilidade é melhor ainda. 

Em resumo, ele é um título emitido pelos bancos para captar recursos para o financiamento de suas atividades.

Em troca deste empréstimo de recursos, ele devolve ao investidor a quantia aplicada mais o valor dos juros acordado no momento do investimento.

Além de ter uma rentabilidade que pode chegar até o dobro da poupança, o CDB tem outras vantagens:

  • Segurança: segurado pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), no caso de investimentos até R$250 mil;
  • Liquidez: se você escolher por um CDB de liquidez diária, poderá recuperar o dinheiro aplicado quando achar necessário; 

Quero ajuda para investir em CDB!

CRA – Certificado de Recebíveis do Agronegócio

Os CRAs são títulos de renda fixa emitidos por empresas ligadas ao agronegócio. Em sua maioria, por produtores rurais ou suas cooperativas, relacionados ao financiamento da atividade agropecuária.

Para isso, a empresa emite um título que representa parte de sua dívida. Os investidores recebem o dinheiro investido somado aos juros, que pode ser predefinido pelo CDI ou o IPCA. Entre os benefícios, destaca-se:

  • Isenção de IR e IOF para a pessoa física, o que significa mais rendimento ao investidor.

Quero ajuda para investir em CRA!

CRI – Certificados De Recebíveis Imobiliário

Os CRIs são títulos de renda fixa privado emitidos por empresas com o objetivo de financiar alguma atividade no ramo de construção civil.

Com os aluguéis recebidos pelos imóveis construídos, a empresa paga os investidores que lhe emprestaram dinheiro.

De forma geral, esse tipo de investimento paga uma taxa prefixada que é conhecida já na compra. Além disso, pode ocorrer também o acréscimo da variação de um índice como a inflação ou o CDI.

Entre os benefícios, destacam-se:

  • Isenção de IR e IOF para pessoa física;
  • Não existe um valor mínimo aplicado aos investimentos em CRI, com apenas R$ 1 mil já é possível iniciar.

Quero ajuda para investir em CRI!

Debêntures – comuns e incentivadas

As debêntures são títulos de renda fixa privada, emitidos por empresas que desejam financiar algum tipo de investimento. 

Elas podem precisar de capital para custear atividades operacionais do dia a dia ou para realizar novos investimentos.

As debêntures incentivadas são exclusivas para empresas que irão realizar investimentos de infraestrutura. Já as debêntures comuns podem ser emitidas por qualquer empresa, seja qual for o objetivo do investimento a ser realizado. 

Entre as principais vantagens, destaca-se:

  • Isenção de IR e IOF (para pessoa física) no rendimento e no ganho de capital, caso estejam enquadradas como debêntures de infraestrutura

Quero ajuda para investir em Debêntures!

Trace uma estratégia de sucesso de Renda Fixa com a ajuda da BlueTrade.

Para concluir, a renda fixa ainda reserva boas oportunidades, com ativos recomendados para todos os perfis de investidores, de conservadores a agressivos. 

O que muda é o tipo de ativo, o indexador, o risco e o prazo. Afinal, diversificação é a chave para o seu sucesso como investidor.

O importante é que você já sabe que deixar o seu dinheiro na poupança não é um bom negócio.

E quanto mais você demorar para tomar uma atitude, mais as suas economias serão engolidas pela inflação. 

Quero meu dinheiro rendendo de verdade!

Você não precisa investir sozinho!

Mas se você ainda não sente segurança para tirar o seu dinheiro da poupança, não se preocupe: não é preciso investir sozinho!

A BlueTrade conta com uma assessoria especializada para te ajudar nessa transição. 

Nossos profissionais buscam pelas as melhores oportunidades e produtos alinhados com seus objetivos. 

Vale lembrar que recebemos o prêmio TIER 1 da XP, como um dos escritórios que mais agregaram valor e eficiência às carteiras de renda fixa dos clientes!

Então não perca mais tempo, fale com um assessor BlueTrade e faça o seu dinheiro render mais! 

Quero meu dinheiro rendendo de verdade!

Neoeconomia Brasileira

Para entender o motivo pelo qual estamos iniciando uma nova era econômica no país, precisamos exclamar a interessante e conturbada história econômica brasileira, observando a cultura e fatos que se estabeleceram ao longo da mesma.

O começo foi no século XV, quando desbravadores dos mares, equipados com canhões, bússolas, astrolábios e caravelas navegavam pelo mar atlântico em buscar do novo, do desconhecido.

Quando encontraram as Américas e o Portugueses dominaram a antiga Terra de Vera Cruz, que hoje, é o nosso Brasil.

Podemos dizer que o Brasil viveu ciclos econômicos, tendo como primeiro o “Ciclo Econômico do Pau-Brasil”, nessa época, os nativos extraiam essa matéria prima, que eram obtidas pelos europeus através do escambo.

Após o esgotamento da oferta do material que deu início a atividade econômica no brasil os portugueses trouxeram uma plantinha bem conhecida chamada cana-de-açúcar que prosperou nas ricas terras brasileiras, os colonizadores instalaram engenhos para produção de açúcar, usando mão de obra escrava, sustentado pelo tráfico negreiro.

Com toda exploração acontecendo foi inevitável encontrarem matais preciosos, o que gerou um novo ciclo econômico do ouro com seu ápice no século XVIII, esse movimento decrescente em 1989 com a Inconfidência Mineira, que perdurou até 1785.

Enfim chegamos em um dos mais importantes ciclos econômicos do ciclo do café, que foi o grande responsável pelo impulso da economia brasileira, havendo intenso desenvolvimento no país, com expansões de estradas, a industrialização, e atração de imigrantes europeus.

Este movimento favoreceu a modernização de modais de transporte, e com a abolição da escravidão aumentou o número de imigrantes europeus, ocasionando uma superprodução, oferta era maior que a demanda.

De tal modo é marcado o fim do ciclo cafeeiro em consequência do Crash de 1929. Tudo isso trouxe necessidade de diversificação da base econômica, gerando a era da industrialização, o governo de Getúlio Vargas passa a incentivar a instalação da indústria pesada no Brasil como a siderúrgica e petroquímica, ponta pé inicial para as principais empresas listadas em nossa bolsa de valores, Petrobras e Vale.

No governo de Juscelino Kubistchek, em 1902, ouve o plano de metas que tinha como objetivo país crescer em 5 anos o que não cresceu em 50, focalizando no desenvolvimento de setores específicos como energia, transporte e alimentação.

Durante a ditadura militar, os governos abrem o país para investimentos estrangeiros que impulsionam o desenvolvimento estrutural brasileiro e entre 1969 e 1973, nosso pís vive o famoso ˜Milagre Econômico”, frisado com um crescimento do PIB de 12%.

Porém havia o problema era que com grandes financiaram por empréstimos a juros flutuantes ocasionou uma inflação de 18% ao ano e o crescente endividamento do país.

Nos anos 80, denominada como década perdida, o brasil se afundava em suas contas públicas e via a inflação aumentando de maneira descontrolada.

No final do governo militar, a economia brasileira estava totalmente desgastada devido a altos juros de suas dívidas externas, vimos o PIB despencando de 10,2% em 1980 pra 4,3% negativos em 1981, a solução foi a criação de planos econômicos para estabilizar a moeda e controlar a inflação.

Só entre 1984 e 1994 o país teve 6 moedas diferentes, a primeira foi o plano cruzado onde o governo tentou o controle da inflação através do congelamento de preços, seguido pelos planos Bresser e o Verão, ambos sem sucesso.

Com a eleição de Fernando Collor de Mello, o Brasil começa a adotar ideias neoliberais, priorizando abrir a economia nacional, privatizando empresas públicas, reduzindo funcionalismo público e aumentando participações privada em vários setores econômicos, porém, graças a escândalos de corrupção o presidente sofreu impeachment, custando seu cargo presidencial.

O Brasil com contou com 13 planos de estabilização econômica, tendo como o último, o Plano Real que viabilizou o equilíbrio das contas públicas e o estabelecimento de um novo padrão monetário, atrelando o valor do real ao dólar. Tal estabilização se manteria pelo século XXI. Em dois anos a miséria do Brasil caiu 18%.

Os próximos governos tiveram o início marcado pelo alto crescimento econômico brasileiro, que foi abalado pela recessão econômica de 2014 juntamente com a crise política no governo de Dilma Rousseff, levando o Brasil ao centro das atenções mundiais quando o assunto era corrupção.

Com um breve resumo de nossa história econômica podemos concluir que nosso país nunca conseguiu se consolidar como um país confiável e atrativo para investidores no privado, devido as altas taxas de juros praticadas, questões fiscais e falta de confiabilidade derivada da desestabilidade política e econômica.

Com a nova política econômica que o Banco Central vem adotando, aprovação do teto de gastos e reforma da providência, uma dessas pontas fundamentais para o investimento privado nacional está mudando, mas ainda temos um caminho pela frente com outras reformas necessárias que precisam ser adotadas, como a reforma administrativa e a tributária.

No gráfico abaixo, temos o IPCA e a Selic nos últimos 10 anos, historicamente ficando em patamares altíssimos, acima da inflação. Em 2016 por exemplo, tínhamos Selic a cerca de 14% ao ano e inflação a 10,67% no ano, ganhar quase 4% no ano no Tesouro Selic, sendo o investimento mais seguro do Brasil é mole, não é?

Mas, estamos entrando em uma nova era, em que isso não é possível, a “Neoeconomia Brasileira” como decidi apelida-la, ou era dos juros baixos, que inicialmente gerou fuga de capital de investidores estrangeiros que antes pegavam empréstimos a juros baixíssimos, em alguns países até negativos para colocarem na renda fixa brasileira, isso ocasionou em uma forte desvalorização do real, somado com outros temas.

Hoje, temos a Selic a 2,25% ao ano e um IPCA projetado pelo Banco Central para de 2020 de 1,63%, secundo o Relatório Focus divulgado no dia 26 de junho de 2020, tendo a menor taxa básica de juros da história do Brasil e a poupança rendendo 1,575%, que, descontado o IPCA, fica  – 0,055% ao ano!

É isso mesmo, poupança e alguns títulos de renda fixa fazendo o investidor perder dinheiro ao longo do tempo, isso considerando o IPCA baixo, devidos efeitos econômicos causados pelo corona-vírus, que com o tempo tende a voltar e a diferença ficar ainda maior.

Com constante redução da taxa de juros no Brasil, investidores terão que se reeducar quando o assunto é investimentos e começarem a tomar mais riscos em busca de um melhor rendimento de seu capital, por tal motivo estamos em crescendo migração de pessoas físicas para a bolsa de valores brasileira.

De acordo com dados divulgadores pela B3, em 2018 tínhamos 813.291 investidores pessoa física, em 2019 esse número já subiu para 1.681.033 e em 2020 já chegamos a 2.483.286 CPF’s, uma alta expressiva de 205,34% em 3 anos.

Isso devido os investidores estarem saindo da renda fixa e indo para o mercado de ações, onde apenas o Dividend Yield (dividendos mais os juros sobre capital próprio distribuídos aos investidores sobre o valor da ação) de determinadas empresas já rentabilizam mais do que o próprio CDI, quem dirá quando a referência é a poupança…

Para demonstrar, utilizaremos as 5 empresas maior representadas no índice Ibovespa, são elas: VALE3 (Vale) com 10,412% de representatividade no índice, ITUB4 (Itaú Unibanco) com 7,631%, B3SA (B3) com 5,982%, PETR4 (Petrobras) com 5,564% e BBDC4 (Bradesco) com 5,463%.

Que juntas, somam 35,052% do índice de referência da bolsa de valores brasileira. Pegamos o Dividend Yield dessas 5 empresas e fizemos a média desta rentabilidade, para enfim, compararmos com a rentabilidade do CDI em cada ano, e obtemos o seguinte resultado:

A partir de 2019 os juros sobre capital mais os dividendos das 5 maiores empresas da bolsa já ultrapassa o rendimento do CDI, respectivamente, da poupança e de alguns títulos de renda fixa, mesmo considerando apenas as maiores empresas do índice Ibovespa, pois se puxarmos uma carteira de empresas boas pagadoras de dividendos e JCP essa rentabilidade é ainda mais.

Além do Dividend Yield, temos que considerar também o crescimento das empresas que tem bons fundamentos e consequentemente ocasiona no aumento de seu valor, refletindo no preço de seus papéis negociados no mercado, gerando valorização do patrimônio do investidor no longo prazo.

Contudo, concluímos que temos uma nova era econômica em que pessoas buscam investir na iniciativa privada e tomando mais riscos em busca de melhores remunerações e rentabilidade, já que a renda fixa não traz tanta atratividade como antes.

Disclaimer: Este artigo não é uma recomendação de investimento, e sim apenas uma reflexão sobre o atual cenário do mercado e conclusões pessoais, pequenas diferenças numéricas nos gráficos apresentados são provenientes de cálculos de tabelas e arredondamentos.

Vieses e armadilhas mentais nos investimentos

Pode parecer estranho quando ouvimos pela primeira vez, mas uma boa parte do sucesso nos investimentos não está no conhecimento sobre matemática ou economia. A psicologia tem papel fundamental no processo de construção do nosso patrimônio.

Por isso que um acadêmico da área do campo ganhou um prêmio Nobel de economia. Daniel Kahneman foi reconhecido por seus estudos no campo das finanças comportamentais, identificando vieses e armadilhas mentais que caímos ao lidar com dinheiro.

Os estudos estão detalhados no livro Pensando Rápido e Devagar e vale muito a pena ler.

Ainda não conheci nenhuma maneira de aprender como identificar se estamos caindo ou não em nossas armadilhas mentais sem sentir na pele, mas conhecendo alguns conceitos, podemos nos policiar para cair o mínimo possível.

Vou resumir a seguir alguns dos principais, mas não deixe de ler o Kahneman e sobre comportamento:

Viés da confirmação
Quando temos uma conclusão e queremos buscar evidências que confirmem a nossa visão, estamos com esse viés. O desafio aqui é não cair na tentação de justificar nossas teorias, mas sim fazer o contrário, formular as teses a partir das informações que estão disponíveis.

Viés da disponibilidade
Ocorre quando nossa decisão é afetada por uma informação que esteja recente na nossa cabeça, ou seja, a mais disponível. Podemos ficar mais pessimistas ou otimistas conforme o tom do fluxo de notícias que recebemos, assim não distinguindo corretamente o que pode afetar ou não os preços do que temos.

Viés da Ancoragem
Ancorar uma expectativa significa atribuir uma decisão com base em uma informação passada. Exemplo: A ação XYZ estava cotada a R$10,00 há um ano, hoje sua cotação é R$5,00.

Com base somente nessa informação, o investidor conclui que a ação está barata e tende a se apreciar. O preço por si só, entretanto, não quer dizer muita coisa. A empresa pode ter tido uma piora significativa em seus fundamentos e o preço da sua ação continua caindo.

Efeito manada
Quem cai nessa armadilha, simplesmente está seguindo o que todo mundo está fazendo. Comprar porque todo mundo está comprando, ou vender porque todo mundo já vendeu.

Normalmente isso faz com o que o investidor chegue atrasado para um determinado mercado ou investimento e se frustre com a experiência.

Status Quo
Os seres humanos têm uma grande tendência a querer que as coisas permaneçam do jeito que estão, na sua zona de conforto. Investindo não é diferente, muitas pessoas resistem a se abrir para o novo ou desconhecido.

Conclusão

Esse assunto é bastante extenso e tem ganhado cada vez mais relevância entre os investidores.

Existem muitos livros e estudos mostrando que excesso de medo ou ganância, muitas vezes são os grandes responsáveis por perdas e frustrações no mercado financeiro. Se é possível deixar uma dica para evitar se deixar levar por algum dos vieses, seria procurar opiniões e pontos de vista diferentes do seu.

Alguém pode estar enxergando algo que você não viu e vice versa. Não deixe de fora dessa consulta uma visão profissional e idônea, dinheiro é um assunto muito delicado para que a gente não o trate com a importância que merece.

Leia também Economia Comportamental e Nossas Finanças e Sua atitude nos momentos de crise e o reflexo no futuro de suas finanças




Taxa Selic em 2,25%

Nesta última quarta-feira, 17 de junho, o COPOM – Comitê de Política Monetária – anunciou uma nova queda de 75 bps na taxa básica de juros do país, a SELIC. Com isso, o que antes era 3% a.a hoje está em 2,25% a.a.

No intuito de fomentar ainda mais a economia, praticando a queda dos juros, foi realizado esse corte de 0,75% e com isso, alguns investimentos da renda fixa, que possuem relação com a SELIC, irão sofrer alguns ajustes.

Vale lembrar que com a Selic mais baixa aqui, o diferencial de juros entre os títulos brasileiros e os de países desenvolvidos como os EUA, considerados mais seguros, diminui.

Como resultado, é comum que haja uma saída de capitais para esses países com melhores notas de crédito. Consequentemente, o preço do dólar frente ao real se valoriza.

Talvez seja a hora de diversificar e apostar em mais risco.

Em um ambiente com juros altos ficava muito fácil para os investidores deixarem dinheiro guardado na renda fixa. Há 4 anos, tínhamos uma SELIC no patamar de 14,25% ao ano, e isso implicava em um rendimento maior do que 1% ao mês.

Ou seja, em 4 anos, tivemos uma queda de exatos 12% na SELIC.

Com isso, você precisa assumir que é necessário diversificar os seus investimentos, ou se não, você vai ficar pra trás!

No caso da Poupança, como fica?

A nova regra da poupança diz que ela rende 70% da taxa Selic enquanto, a mesma, estiver abaixo de 8,5% ao ano. Como a Selic hoje está em 2,25%, ou seja, menor do que 8,5%, a poupança está rendendo 1,575% ao ano.

Isso significa uma rentabilidade de aproximadamente 0,13% ao mês.

Vamos fazer uma simulação pra ficar claro, o que realmente está acontecendo com a, talvez sua, poupança. Digamos que você vai aplicar hoje R$ 1.000.000,00 na poupança, o que você irá encontrar em 1 ano?

Você não precisa ser um expert em matemática pra identificar um número negativo, basta encontrar o sinal “-“ que será o suficiente para entender o contexto.

E é exatamente o que está acontecendo com a rentabilidade real da poupança a partir de hoje! Ao investir seu 1 milhão, passado 1 ano, você encontrará menos do que deixou investido.

Imagine você, ter trabalhado durante toda sua vida com muito esforço e dedicação, sempre tendo em mente uma aposentadoria tranquila, com a família, podendo pagar os estudos dos filhos, viver sem passar necessidades, investir o seu dinheiro e quando fosse retirar, tivesse uma quantia menor do que a que você colocou.

Por isso, reafirmo, é o momento de confessarmos que a Poupança não é mais um tipo de investimento.

Você pode contar com a liquidez e segurança que ela possui, porém, a rentabilidade que ela produz, hoje, é falsa.

Então, onde colocar o meu dinheiro da poupança?

Hoje, quem conta com o auxílio de um assessor de investimentos da BlueTrade está sem preocupações com relação a isso. O cliente possui uma carteira muito bem diversificada, e um atendimento de alta qualidade no mercado financeiro.

Entretanto, a pessoa que não possui esse auxílio terá que estudar e procurar por alternativas na renda fixa ou renda variável.

As opções são muitas, porém, você precisa saber como analisar uma boa empresa, a duração de um título, e entender como o mercado financeiro caminha.

Conclusão

Por fim, o fato é, a época de 1% ao mês de rentabilidade acabou! Você precisa sair do conforto para não perder mais dinheiro.

Entre em contato com a BlueTrade, e saiba mais sobre como investir com o auxílio de um assessor de investimentos.

Saiba mais sobre o mundo dos investimentos:








Webinar – XP Private US

No último Sábado, 13/06, foi realizado o webinar “XP Private: Soluções de Investimento Externo e Portfólio Global” com a presença de Rodolfo Bastos e Ellen Cavacini que representam a XP Private US, e intermediação de Eliseu Hernandez e Arthur Constâncio, da parte de Produtos e Alocação na BlueTrade.

Alguns tópicos foram abordados, como a importância da diversificação do patrimônio dos clientes em alocação internacional.

Para investidores que querem viver de renda no longo prazo, é necessário uma alocação de parte do patrimônio em moeda forte para se proteger da volatilidade de países emergentes (como o Brasil) no longo prazo.

Há também a importância da organização fiscal, tributaria e sucessória, onde a mesa da XP Private US também possui uma constituição dessas estruturas.

Alem disso, a mesa reforça que é imprescindível a diversificação de grandes clientes, possibilitando a eles um acesso a plataforma global de investimentos.

Hoje, para que o patrimônio em investimentos se acumule no longo prazo, é preciso que o investidor aprenda a tomar riscos, passe a lidar com volatilidade e diversifique a carteira de forma geográfica.

Hoje mais de 90% dos clientes são brasileiros, e a mesa institucional da XP Private US é a terceira maior mesa de operações do mundo.

Eles reforçaram também que as oportunidades no mercado exterior são maiores. A nossa Bolsa brasileira representa somente 1,34% da Bolsa mundial.

E a maior parte das oportunidades de investimentos nos principais setores (tecnologia, saúde, etc) se encontram lá fora em maior escala.

Como exemplo, somente o giro diário de ações da Apple no mercado americano já é maior do que o volume negociado por todas as ações da Bovespa durante um pregão regular.

Saiba mais sobre o mercado de investimentos: