Previdência Privada: como se preparar para a velhice

Envelhecer é uma das maiores dádivas da vida e ter a oportunidade de viver essa fase com qualidade, é ainda melhor. Os anos passam, mas os prazeres da vida permanecem e esse artigo tem o intuito de mostrar que é possível estender todos esses prazeres para anos de sabedoria e experiência.

A cada ano a expectativa de vida aumenta e isso também é um ponto que merece atenção. Segundo o IBGE (2020), em 1940 as pessoas que chegassem aos 50 anos teriam em média mais 19 anos pela frente. Já em 2019 esse número saltou para 30, ou seja, um crescimento de 12 anos a mais. O fato é que ganhamos mais tempo, entretanto também estaremos mais sujeitos aos seus efeitos.

Não existe segredo e nem receita de bolo, o planejamento financeiro está aí para auxiliar em todas as fases da vida e principalmente na que exigirá mais cuidados: a velhice.

Juntamente ao tempo, ganhamos a oportunidade de gerar mais renda e investir o suficiente para garantir um momento feliz e tranquilo. Por outro lado, o risco de contrair dívidas também aumenta e por isso é importante definir alguns números desde cedo.

De acordo com o Raio X do Investidor (2020), 51% dos mais de 2.000 entrevistados, ainda acreditam que o dinheiro da aposentadoria virá do INSS. O lado bom é que de 2018 para 2019, esse número reduziu em 5%. Mas, apenas 7% apostam na Previdência Privada e 10% não sabem ou não pensam sobre o assunto.

Os jovens ainda estão em tempo para procurar o melhor plano de previdência, mas e os vovôs e vovós? Eles também.

Devemos concordar que quanto mais cedo, menos recurso será exigido de aporte, mas é possível começar depois de anos de vida percorridos. A diferença é que, além de precisar de mais recursos para aporte, a estratégia também será outra. O importante é começar!

Mas como se preparar? 

Além de identificar o perfil do investidor é necessário saber o objetivo desse recurso e quando será utilizado. Para horizontes mais longos é possível investir em ativos mais voláteis, esses apresentam maior rentabilidade e, se porventura cair, há tempo de recuperar. Já para o curto prazo, o ideal é optar pelos que “balançam” menos.

Diante de todos esses dados você já viu que é necessário montar um colchão financeiro, sem precisar contar com aquela “ajudinha” do governo. Com essas dicas ficará muito mais fácil começar, independente da idade que tiver! 

O que é um colchão financeiro? 

O colchão financeiro é uma reserva de emergência que devemos ter para cobrir despesas inesperadas. Dizem que o termo colchão surgiu quando os bancos ainda não eram tão acessíveis, pois muitas pessoas costumavam guardar o seu dinheiro embaixo do colchão. 

Dessa forma, o colchão financeiro é basicamente um montante reservado para casos extremos, como o desemprego prolongado ou uma doença excepcional na família, por exemplo. Por isso, seu principal objetivo é cobrir as despesas durante esse período “sem rendimentos”. 

Previdência Privada e a aposentadoria 

A previdência privada pode funcionar como um fundo para guardar recursos para a aposentadoria do investidor e é dividida em dois tipos de planos: PGBL e VGBL. A maior diferença entre elas é a tributação, já que a primeira é mais indicada para quem declara Imposto de Renda pelo formulário completo, e a segunda para quem preenche o formulário simples. 

Mas além disso, eles possuem diversas características próprias que devem ser analisadas de acordo com perfil e objetivos de cada investidor. 

Confira as principais diferenças: 

PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre 

Este plano é ideal para quem declara o IR pelo modelo completo e contribui para o INSS, pois ele permite o benefício fiscal na Declaração de Imposto de Renda, durante o período de acumulação. É importante aplicar apenas o limite, não vale a pena colocar mais que isso. 

Já na declaração de Imposto de Renda, os valores investidos no plano, podem abater até o limite de 12% da base de cálculo (renda bruta tributável), na Declaração Anual de Imposto de Renda pessoa física.

Quanto ao resgate e/ou pagamento do benefício, o Imposto de Renda incide sobre o valor total resgatado e sobre o valor total do benefício pago também.

VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre

O VGBL é indicado para quem é isento ou declara o IR pelo modelo simplificado ou deseja aplicar mais de 12% da sua renda bruta em Previdência Privada. 

Dessa forma, os valores investidos no plano não são dedutíveis do Imposto de Renda, que incide apenas sobre os rendimentos e as contribuições realizadas não são tributadas e além disso, não há limites. 

Sendo assim, pode-se ultrapassar o valor de 12% da sua renda e ainda ter um benefício proporcional. 

Para saber quais os principais pontos a serem considerados na hora de escolher o seu plano, leia o artigo “Previdência Privada: Pontos essenciais para escolher o seu plano”. 

Tempo para planejar

Uma coisa é certa: tudo que é feito com um bom planejamento tem maiores chances de dar certo. E o plano para a sua aposentadoria não é diferente. 

O grande sonho de um futuro tranquilo pode começar a ser construído agora e você não precisa depender da previdência social. 

Além de ser um investimento para o longo prazo, também possui uma maior segurança, em comparação com outros produtos do mercado financeiro e não traz grandes riscos. Inclusive possui uma fácil portabilidade, caso você queira transferir seus investimentos do banco para uma corretora, como a XP por exemplo. 

E claro, para construir o seu futuro a Blue3 Investimentos te ajuda a gerenciar o seu patrimônio da melhor forma. Clique aqui para falar com um assessor. 

Leia o artigo “Previdência Privada: a importância para a sua carteira” e entenda as diversas vantagens desse ativo. 

Dê uma ajuda à sua previdência

Atualmente, os fundos de previdência privada são uma importante parte do portfólio das pessoas físicas no Brasil. Essa é uma ótima notícia, visto que olhada da ótica tributária, essa é uma das, senão a melhor classe de investimentos disponível hoje no mercado. 

A depender do sistema de tributação escolhido, o imposto de renda a ser pago pode chegar a apenas 10% do lucro obtido com o investimento. 

Os bancos comerciais são grandes responsáveis pelo estoque de previdência dos brasileiros, que hoje está de perto de R$1 trilhão. 

Herança maldita

São longínquos os tempos de taxas de juros astronômicas no Brasil. E sinceramente, espero que elas nunca mais voltem. Os juros nas alturas são um bom termômetro de que no horizonte o que está por vir no cenário político e econômico não é muito bom. 

Hoje, com uma Selic em 3%, esse fator é minimizado. Mas como uma espécie de cobertor curto, onde se cobre a cabeça e os pés ficam descobertos, essa queda de juros nos mostra outro problema. 

Herdado de uma regulamentação previdenciária precária, os veículos de previdência antigamente tinham diversas amarras em relação a onde o gestor poderia alocar o capital dos seus cotistas. 

Para ilustrar um pouco o fato, os veículos de previdência podiam ter no máximo 49% do seu capital em ações, com diversas restrições em relação ao emissor, por exemplo. 

Isso não era um problema em um Brasil de juros de 14% ao ano, onde na renda fixa era possível ter um retorno mensal de 1%, sem que fosse necessário incorrer em riscos para isso. É aquela famosa jabuticaba: só no Brasil mesmo…

Se pegarmos um dado de 2019, mais de 80% da previdência do brasileiro está alocada em renda fixa. O gerente do banco, que além de atender você, tem mais três mil clientes. Ele não só te indicará uma previdência, pois também deve bater metas de seguros, cartão de crédito, contas abertas e do famoso título de capitalização. Ele certamente não irá se preocupar em te mostrar que os tempos agora são outros e que uma realocação da sua carteira de investimentos é necessária. 

Pensamento crítico

Eu que não sou gerente de banco nem nada, tenho algum tempo livre para te incitar a fazer um exercício mental comigo. 

Os investimentos de previdência devem ser enxergados para o longo prazo. Não adianta investir em um veículo como este se não estiver pensando lá na frente. As suas características tributárias fazem com que quanto maior o tempo de investimentos, maior será o benefício. E isso virá na forma de juros compostos, logo, de maneira exponencial. 

Isso se dá pela ausência de come-cotas a cada seis meses, que ao longo do tempo, vai ganhando valor e vai rendendo juros. Já que o Leão não come 15% do seu lucro a cada semestre, esse lucro vai crescendo cada vez mais com a mágica da composição de retornos ao longo do tempo. 

Passada a questão do longo prazo, chegamos então a um ponto interessante. Se tratando de investimentos de longo prazo, os ativos de riscos tendem a gerar o maior retorno, visto que se afastando dos ruídos de mercado intradiário, o que temos é o desenvolvimento de empresas ao longo do tempo, que vão ganhando cada vez mais valor. 

Se pegarmos os retornos das classes de ativos, quanto mais arriscado o investimento, maior o retorno potencial. Veja que não estou falando que o retorno vai de fato se mostrar maior, mas ele tem mais potencial para ser maior. 

Assim sendo, faria mais sentido eu assumir mais riscos em minha parcela de previdência, visto que o potencial de retornos seriam maiores.

Olhando desta forma, já não faz sentido ter 80% do estoque de previdência em fundos de renda fixa. Os tempos agora são outros e para se obter um retorno digno, será preciso assumir riscos. Assim como em qualquer lugar do mundo. 

O grande segredo

E qual a forma que temos então para maximizar meus retornos? No longo prazo, não queremos estar na ponta perdedora. 

Na verdade, o grande segredo é que não há segredo nenhum. Deve-se ter um portfólio diversificado, com renda fixa sim, mas também com fundos multimercados e fundos de ações. 

Para se escolher as gestoras, temos hoje a maior parte delas com um veículo dedicado a previdência. E o trabalho das gestoras independentes é apenas esse, fazer gestão de investimentos de terceiros. 

Não há a possibilidade de se fazer outra coisa para ganhar dinheiro. É gestão e acabou. Temos hoje Brasil Capital, Constellation e Hix como algumas gestoras de ações com veículo exclusivo de previdência, já com a nova regulamentação, com a possibilidade de se investir até 100% em ações. 

Conclusão

Dito tudo isso, você pode até acreditar que um portfólio diversificado não vai fazer lá tanto diferença no seu bolso. 

Eu poderia me alongar com os mais diversos motivos para dizer que na verdade faz sim diferença estar alocado em bons veículos, com a devida diversificação. 

Mas uma das coisas que aprendi ao longo da vida é que existem coisas que são teóricas e existem coisas que são visuais, palpáveis, práticas. 

Alguém um dia sintetizou isso em uma frase: uma imagem vale mais que mil palavras. 

Então me despeço hoje com uma imagem para lhe fazer pensar. Aqui podemos ver que de fato, 1% a mais de rentabilidade que seja, faz uma diferença absurda nos seus resultados de longo prazo. 

Isso te permitiria se aposentar cinco anos mais cedo ou então colher ao final dos 25 anos, um rendimento 26% maior.

Entenda sobre Previdência Privada e a importância para sua aposentadoria no futuro

Viver uma vida sem grandes preocupações financeiras é o sonho de muita gente. Esse sonho é ainda maior quando pensamos em nosso futuro, quando estamos mais velhos e chegou a hora de aproveitar o que nos resta de vida. O que muita gente se esquece é que para se obter um futuro tranquilo, com independência financeira é necessário planejamento e o início deve ser imediato. 

Quanto mais cedo você começar a se programar para essa fase da vida, mais possibilidade você terá de chegar até ela com um patrimônio garantido e segurança para você e sua família.

Como no Brasil a educação financeira é algo que o Brasileiro quase não tem contato muitas pessoas acabam adiando suas aplicações e assim sabotando sua aposentadoria. Isso acontece pois muitos acreditam que está cedo de mais para se pensar nisso, já que a aposentadoria só ocorre entre os 50 ou 60 anos. Outros já acreditam que é muito tarde para se investir melhor na previdência.

Segundo dados do Banco Mundial, apenas 4% da população brasileira poupa algum dinheiro com o objetivo de complementar sua aposentadoria, além do INSS. O que coloca o Brasil como um dos piores países no mundo nesse quesito.

Quando observamos a constante mudança do cenário econômico e a nova realidade imposta a investidores, o fatio de apenas 4 brasileiros em cada 100 terem algum tipo de reserva para o futuro fica ainda mais preocupante.

Faça da previdência privada sua ferramenta para um futuro tranquilo.

A previdência privada é uma forma segura de investir com pensamento no longo prazo. Com diversos ativos disponíveis para esse investimento, é uma maneira fácil de aplicação do seu patrimônio.  Apesar de ser pensada para complementar sua aposentadoria, a previdência privada não está ligada ao INSS. 

O grande diferencial da previdência privada é a possibilidade de proteger seu patrimônio de maneira que ele renda até a data de você usufruí-lo. Mas antes de decidir a quantia que você irá investir é importante considerar alguns fatores que poderão potencializar seus rendimentos, e ir de encontro com seus objetivos reais como investidor.  

Um desses fatores importantes para iniciar seu planejamento é saber quando deseja obter de renda no futuro, e assim equiparar suas aplicações da renda ou patrimônio atual para conseguir chegar aos valores desejados. Mas essa parte mais estratégica deve também estar sempre alinhada com disciplina e persistência, pois o ideal é realizar suas aplicações mensalmente e com foco no longo prazo.

Por que investir na Previdência Privada.

As vantagens de se investir na previdência privada são muitas, principalmente quando comparada com a aposentadoria pública. O ideal é não depender da aposentadoria pelo INSS já que o teto é de apenas R$ 4.663. Então a previdência privada te dá a possibilidade de escolher o valor que você irá investir mensalmente  e os prazos dessa aplicação. Além disso é possível escolher como deseja receber sua renda entre vitalício ou determinado período, considerando os anos que você irá usufruir do benefício. Além de permitir um planejamento sucessório com a possibilidade de que filhos e cônjuges possam receber o benefício após um possível falecimento.

Conclusão 

Como pudemos ver, a previdência privada pode e deve ser utilizada de maneira eficaz para garantir um futuro tranquilo e sem grandes preocupações financeira. Os investimentos na previdência privada são fáceis, seguros e garantem bons rendimentos a quem deseja complementar sua aposentadoria e garantir uma boa renda no futuro. Além de possibilitar a segurança de sua família, pois no caso de um eventual falecimento filhos e cônjuges poderão receber os benefícios de sua Previdência Privada.