Seguro de vida: quando fazer e quais os benefícios?

O seguro de vida é uma das alternativas para quem quer fazer o planejamento sucessório e é uma proteção importante que muitos ainda não tem ou não sabem ao certo como contratar. 

E aqui vai um destaque, principalmente, para a quantidade baixa de brasileiros que possuem esse serviço. A pandemia fez com que as buscas pelo seguro no primeiro semestre de 2021 aumentassem 19% em relação ao ano passado. 

Mas, segundo pesquisas, apenas 15% possuem de fato um seguro de vida. Esse é um dado preocupante e mostra que as pessoas ainda não colocam em sua lista de prioridades a segurança para o futuro. 

Que bom que você está aqui, isso quer dizer que está interessado ou interessada em proteger você e sua família. 

Como funciona o seguro de vida?

Existem diversos tipos de seguro atualmente. Quando você compra um carro, geralmente escolhe um seguro do automóvel para ter a certeza que em caso de furtos ou batidas, você será restituído. 

Com o seguro de casa também é assim. E é basicamente como funciona o seguro de vida. Ele serve para garantir que o patrimônio e a integridade da família sejam assegurados, caso aconteça algum imprevisto com o titular, como acidentes, problemas de saúde, entre outros.

Mas é claro que o tipo de cobertura pode variar com mais ou menos abrangência. Tudo depende do plano contratado. Mas, vamos colocar duas situações para exemplificar de modo geral.

A primeira é a seguinte: vamos imaginar que o titular do seguro sofreu um acidente inesperado e faleceu. No caso, os seus beneficiários, ou seja, as pessoas escolhidas pelo titular no momento da contratação seguro (pode ser família ou não), recebem uma indenização. 

Na segunda situação: o titular contraiu uma enfermidade que o impede, de forma permanente,  de trabalhar. Nessa situação, o seguro pode indenizar o próprio segurado, ainda em vida. 

Esses foram dois exemplos, mas existem diversas situações em que pode haver a cobertura do seguro, como diárias de internação hospitalar, despesas médicas, doenças graves. 

Inclusive, é possível garantir até o auxílio-funeral, que cobre todas as despesas se o falecimento ocorrer durante o período de vigência do seguro.

Quando e como fazer um seguro de vida?

Basta estarmos vivos para algo acontecer, certo? Então, não existe um momento certo ou hora indicada para isso. 

O correto mesmo é ter um seguro de vida o quanto antes, inclusive, se você é jovem. Porque, pensar que esse tipo de apólice é só para pessoas mais velhas, é um engano. 

Para contratar, primeiro você precisa selecionar uma seguradora de confiança, que possa te oferecer um plano com a abrangência que você precisa, por um valor que caiba no seu orçamento.

Abrangências 

De antemão, vamos deixar aqui algumas das possibilidades que o cliente pode optar ao definir o seu seguro de vida. A abrangência pode ser em: 

  • Caso de morte do segurado;
  • Doenças graves;
  • Invalidez permanente total ou parcial por acidente;
  • Invalidez permanente total por acidente;
  • Invalidez permanente por acidente majorada;
  • Invalidez funcional permanente total por doença;
  • Invalidez laborativa permanente total por doença;
  • Despesas médicas, hospitalares, odontológicas;
  • Diárias de incapacidade temporária;
  • Diárias por internação hospitalar;
  • Auxílio funerário.

Entretanto, preste muita atenção nessa regra. A SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) estabeleceu que todo seguro de vida, independente do plano, precisa ter proteção obrigatória no caso de morte, independente da causa. 

Valores 

Os valores da apólice podem variar não só de acordo com os serviços oferecidos, mas também pelas características do cliente, como idade, profissão, sexo e até mesmo os hábitos do segurado.

Mas, por que os hábitos? Bom, porque a rigidez do seguro e os valores podem ser modificados dependendo do perfil do cliente. 

Por exemplo, um cliente que tem uma profissão arriscada ou já possui um problema de saúde iminente ou até mesmo é mais velho, possui necessidades e riscos diferentes de um cliente que é jovem, saudável e trabalha em casa. 

E antes de contratar um seguro, fique atento  também a questões muito importantes como os riscos excluídos; carência da apólice; abrangência geográfica do serviço; valor máximo de capital segurado; valor do prêmio e disponibilidade dos produtos de seguro. 

É preciso se certificar, ainda, se o plano que você está contratando é individual ou coletivo. 

Apólice individual

A apólice individual, como o próprio nome já sugere, é o seguro de vida em que o segurado negocia diretamente com a seguradora. 

Neste tipo de apólice, o seguro é personalizado, ou seja, atende especificamente às necessidades e características do cliente e de sua família, como exemplificamos no tópico acima. 

O seguro de vida individual é a opção mais apropriada para famílias que buscam proteção especial e de longo prazo. 

Apólice coletiva 

Já a apólice coletiva é o serviço que atende as necessidades de um grupo de pessoas, no caso de funcionários de uma empresa, por exemplo. O número de pessoas necessário para compor a apólice pode variar de acordo com a seguradora. 

Como é um plano mais generalista, o valor costuma ser mais acessível e sua função é atender às necessidades básicas do grupo. A apólice é renovada de tempos em tempos, mas – no caso de empresas – se houver o desligamento do funcionário, automaticamente o benefício é perdido. 

Seguro de vida no planejamento sucessório 

Além dos benefícios que falamos nos tópicos acima, o seguro de vida é muito importante para o planejamento sucessório. Lembra que falamos no início deste artigo sobre a importância do seguro para a proteção da família? 

Leia nosso artigo exclusivo sobre planejamento sucessório aqui.

Pois é. O seguro de vida é uma ferramenta facilitadora no processo de sucessão. Isso porque, em caso de morte do segurado, a liberação da indenização é rápida (chega a ser paga em menos de 15 dias), diferente de outros meios como o inventário. E principalmente porque, por lei, o seguro de vida nunca integra o inventário.

Outro ponto é que o capital do seguro de vida não está sujeito às dívidas do segurado. Assim, eleva o nível de segurança e agilidade para garantir os recursos necessários dos beneficiários para o processo sucessório.

Deu para ver o quanto o seguro de vida é fundamental para garantir a proteção do seu patrimônio e a qualidade da sua vida e da sua família, né? Mas, como falamos, não se esqueça de buscar profissionais e seguradoras de confiança. 

Para falar com os profissionais da área de seguros da Blue3, clique aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *